Coluna de domingo, 13 de abril de 2014

"ESTOU NA CASA DOS CINQUENTA ANOS, sou casado e tenho dois filhos. Uma família construída com muito sacrifício. Já há alguns meses tenho ido a casas de massagem. Conheci a Fátima, uma garota de programa bem mais nova do que eu, que me fez descobrir sensações que jamais tive na vida. Uma garota linda, escultural, serena. O problema é que fantasio um relacionamento amoroso que não existe e por vezes percebo que forço a barra. Sofro muito quando sou colocado na condição de simples cliente. Sempre me vejo mandando mensagens, flores, e esperando algo mais, como uma palavra de carinho. Penso nela em todos os momentos. Tenho a consciência de que devo sair desta situação por inúmeras razões, além da clara destruição que posso causar na minha família. Preciso de um tempo de abstinência. Mas, se por um lado o prazer é tão intenso, por outro, em casa tenho uma esposa que está entrando na menopausa. Como eu gostaria que a minha esposa tivesse a experiência da garota. Só o fato de escrever estas linhas já sinto certo alívio. Como eu poderia me ajudar?
Tiago"

SEU CORAÇÃO BATIA ACELERADO, EM POUCOS minutos teria o encontro semanal com sua... amada. A simples palavra lhe pareceu forte. Finalmente a porta se abre e estão juntos, novamente. Ela é jovem, sorridente, sedutora, bela e, nesse momento, disponível. Tiago disfarça sua ansiedade e lhe entrega uma lembrancinha que comprou na rua, mostrando que ela está presente nos seus pensamentos. Finalmente a hora do sexo, superlativo, intenso, iluminado, quebra suas últimas resistências e outra vez a palavra “amor” foge da sua boca. Porém o encontro é breve e Tiago se retira, pensativo, depois de pagar o dinheiro combinado.. Tudo foi com as melhores intenções, reflete...
Pressionado pela carência forçada em casa, como clássico recurso, decidiu comprar sexo na rua e foi com esse espírito prático, quase comercial, que tudo começou. Imaginou que conheceria mulheres anônimas, bonecas de borracha, robôs sexuais de resposta mecânica, porém para sua surpresa, encontrou Fátima, com quem, pela primeira vez, realizou suas fantasias sexuais. Foi, sem dúvida, uma decisão delicada, porém evitando críticas ou julgamentos, apenas tentaremos entender seu singular sintoma.
Tiago não é o primeiro homem que, em circunstâncias semelhantes, utiliza este recurso. Os estabelecimentos sexuais são frequentados por muitos homens, casados ou não, que procuram sexo anônimo e transitório. A visita a um prostíbulo não seria motivo suficiente para uma carta ao Jornal. Inesperados foram os sentimentos e fantasias românticas, não porque Fátima não os merecesse, mas porque Tiago tem pouco a oferecer a ela. Por sua vez, não parece interessada em outro tipo de encontro que não seja estritamente profissional.
- Qual é o significado desta paixão?
Possivelmente avisar Tiago, de forma indireta, que alguma coisa importante falta na sua vida matrimonial, não por culpa da sua mulher, mas porque nenhum dos dois conseguiu produzir isso em muitos anos de casamento. O fascínio de Tiago por Fátima existe, porque ela personifica suas carências e confirma a falta de erotismo, encanto, cumplicidade e diálogo. É verdade que se não o teve em casa, é difícil encontrá-lo com uma garota de programa. Por isso lhe restam dois caminhos, o primeiro, insistir em seu “namoro” de horas marcadas, ou, num ato de imensa coragem, levar o pacote todo para casa.
Bater a porta como um novo Tiago, questionar menopausa, cansaço e falta de vontade, promover diálogos e brigas, férias e passeios. Se Fátima foi capaz de acordar sua sexualidade, por que não tentar o mesmo procedimento com sua mulher? No entanto, o que fazer com a paixão? Pergunta ansioso Tiago. A resposta é a que ele mesmo sugere na sua carta, abrir mão da Fátima, grato por não tirar partido da sua evidente fragilidade e poder enriquecer seus conhecimentos eróticos, que poderiam ser aplicados na intimidade do quarto do casal. Não tenho certeza de que Tiago vai aceitar minhas ideias, que supõem um considerável sacrifício e frustração, porém, se utilizar a energia e criatividade do homem apaixonado e a utilizar em seu casamento, verá que enquanto há vida, haverá surpresas. A primeira foi a Fátima, a segunda poderá ser ainda mais surpreendente.