Coluna de domingo,22 de fevereiro de 2015

"DEPOIS DE 14 ANOS DE UMA LINDA RELAÇÃO, com pequenas brigas, uma filha de nove anos, recentemente descobri, por um acaso, que meu marido teve durante alguns meses uma relação com uma colega de trabalho, também casada. Eram obrigados a viajar periodicamente ao exterior e ás vezes coincidiam de se encontrarem. Quando descobri meu mundo caiu, fiquei desolada, saí de casa com minha filha por uns dias, mas tive que voltar. Não conseguimos falar sem brigar, no começo ele negou, mas acabou admitindo o caso. Jura que foi a primeira vez, que me ama que coincidiu com uma série de fatores quando viajaram na mesma época. Disse que me ama que não quer se separar, eu também gostaria de retomar a vida normal, mas não consigo.
Ana"

“REGRAS" E “EXCEÇÕES” FORAM CONCEITOS QUE CENTRARAM minhas reflexões depois de ter lido a carta de Ana. As “Regras” matrimoniais propõem um respeito absoluto ao contrato de fidelidade, suas “Exceções” o modificam ou corrigem e seus protagonistas são os únicos capazes de avaliar suas consequências.
Comprovada uma traição, o caminho se bifurca em duas largas avenidas; a primeira é dramática, trágica e irreversível. A segunda, igualmente grave, admite outra leitura, mais profunda e amplia do mesmo acontecimento, acrescentando um leve tom de comédia. Uma demoniza, enquanto a outra satiriza.
É obvio que cada leitura oferece um futuro diferente para o casal. A tragédia termina tragicamente, a comédia, por sua vez, nem sempre termina. Em síntese a punição do mesmo delito vai depender do nível de rigor ou compreensão que terá o juiz responsável pela causa.

Acompanhei numerosos casais com este conflito, uns se separaram, outros superaram o trauma e, suportando desconfortos e acusações conseguiram elaborar o episódio, modificando seus pontos de vista e aprofundando a relação.

Não é nenhuma novidade que a infidelidade deflagre uma crise que, como toda crise tenha riscos e oportunidades.
No entanto, com estes parâmetros e pouca informação, tentarei enquadrar a história de Ana, colocando-a em alguma destas possibilidades: 1- Tragédia. Ana não tolera a infidelidade e precisa terminar o casamento, expulsar Raul da sua vida, abrindo as questões jurídicas cabíveis e irreversíveis. 2-: Permite uma discussão ampla sobre o episódio, revê seus antecedentes, procura detectar frustrações mutuas e admite uma separação temporária, sem interromper o diálogo. À opção “Trágica” pode ser acrescentada com sofrimento dos filhos e patrimônio. A opção “Comédia” pode abrir novos espaços de comunicação e sexualidade do casal. Relatei uma super-síntese da minha experiência com centenas de casos comprovando que o mesmo deito de traição pode ser um crime inafiançável ou um estridente alarme capaz de salvar um casamento é, de fato não existem soluções universais, alívio de uns pode ser insuportável para outros. Alguns casais vão direto ao advogado, outros ao terapeuta e um terceiro grupo, mais numeroso, prescinde de ajuda externa, atravessam discussões, insônias, ofensas e agressões, quase sempre misturadas com apaixonadas juras de amor, certamente mais sólidas do que nopassado. O mais importante é decidir a categoria na qual cada casal se coloca, tendo a humildade para reconhecer se predomina a visão trágica, vingativa ejudicial, ou se existe disposição para inscrever o episódio em alguma outraversão da extensa comédia humana.
O mais difícil é acertar o diagnóstico pessoal. Se Ana optar pela tragédia, rapidamente encontrará uma forma de efetivá-la, será uma barulhenta explosão e uma distribuição das ruínas. Se optar pela comédia, terá mais trabalho e sacrifício, dividirá culpas, responsabilidades, questionamentos, perdões e promessas... O único (e duvidoso) mérito de uma traição é que casamentos falidos separam e boas relações recomeçam... A questão é extensa e delicada e reconheço que minha resposta é insuficiente, no entanto, é insuficiente. A meu favor, alego que desejos e tentações são o traço mais rebelde do ser humano e exigem enorme talento e sabedoria para serem administrados e conduzidos ao seu melhor destino.